Goiânia, domingo, 24 de setembro de 2017
11/09/17 1444 visualizações

José Nelto denuncia fábrica que Marconi abandonou em Itumbiara



Reprodução/YouTube

O anúncio de fechamento da fábrica da multinacional Suzuki em Itumbiara em 2015 contrariou a promessa do governador Marconi Perillo (PSDB) que, em 2014, havia prometido na cidade lutar pelos empregos da fábrica de automóveis. A denúncia é do deputado José Nelto (PMDB), líder da oposição, que esteve ontem no município.

Já há quem diga que a indústria no município não passava de um “galpão para depósito de veículos”. A indústria, que atuava há cerca de dois anos no município, realizava a finalização na produção dos veículos da marca, que eram quase completamente montados na fábrica da Mitsubishi, coligada da Suzuki no Brasil, em Catalão.

De acordo com José Nelto, a montadora Suzuki jamais teve planos de operar em Itumbiara. A montagem de uma linha de produção na cidade foi apenas uma forma de atender politicamente o governador Marconi e seus aliados locais. A multinacional já tinha instalada uma fábrica (da Mitsubishi) em Catalão, no sudeste goiano, e usaria essa estrutura montada para ampliar sua produção no Estado. As duas marcas pertencem ao mesmo grupo japonês.

A instalação da linha de montagem em Itumbiara, com incentivos fiscais de mais de R$ 2 bilhões, além de doação de terreno do Estado e outros benefícios, gerou apenas 100 empregos, distante dos mais de 700 prometidos por Marconi e José Eliton. Mas em 2015 a empresa simplesmente decidiu fechar a unidade, demitir parte dos funcionários e levar a produção para Catalão, como era a lógica econômica e o interesse inicial.

O fechamento da multinacional possui, sim, razões políticas. Entre outras, a falta de pulso do governador Marconi Perillo (PSDB) para cumprir a promessa de manter a indústria, que hoje é fantasma.

Mande pra gente, via Whatsapp, denúncias, textos, vídeos e fotos sobre a realidade do Estado de Goiás. Whatsapp do Goiás Real: (62) 8453 6115. Vamos preservar sua identidade, se for do seu interesse.

Outras notícias

+ veja mais notícias