Goiânia, quarta, 13 de dezembro de 2017
07/10/17 1034 visualizações

Marconi e Eliton excluem hospitais e Credeqs dos recursos da Celg



Foto: Divulgação

Seis meses depois de decretar lista prioritária, o governador Marconi Perillo (PSDB) e seu vice José Eliton (PSDB) alteraram a destinação dos recursos da venda da Celg D, excluindo a conclusão de unidades de saúde e concentrando muita coisa na aplicação em obras rodoviárias. Dos cerca de R$ 800 milhões obtidos com a privatização da Celg, R$ 100 milhões vão para aumento do capital social da Saneago e todo o restante será investido em 34 obras da Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop). A informação está publicada na edição de hoje do jornal O Popular, em matéria assinada pela jornalista Fabiana Pulcineli.

Fica excluída da lista a construção de quatro hospitais, quatro Centros de Recuperação de Dependentes Químicos (Credeqs) e seis Ambulatórios Médicos de Especialidades do interior, além de reformas e expansão de unidades maiores, como o Hospital de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol), em Goiânia. Ao total, estavam previstas 20 obras da saúde que agora estão fora da relação, aponta a matéria do jornal.

A redefinição da lista está no decreto 9.064, assinado pelo governador Marconi Perillo (PSDB) e publicado ontem no Diário Oficial do Estado, que revoga a relação anterior, divulgada em março deste ano, e que previa um total de 82 obras. O secretário da Casa Civil, José Carlos Siqueira, afirma que o governo decidiu filtrar as obras que têm viabilidade de conclusão até o ano que vem e concentrar os recursos nas obras rodoviárias. Assim que as obras rodoviárias forem concluídas, no entanto, elas serão 100% entregues à iniciativa privada, para a cobrança de pedágios.

Mande pra gente, via Whatsapp, denúncias, textos, vídeos e fotos sobre a realidade do Estado de Goiás. Whatsapp do Goiás Real: (62) 8453 6115. Vamos preservar sua identidade, se for do seu interesse.

Outras notícias

+ veja mais notícias