Goiânia, domingo, 19 de agosto de 2018
19/01/18 830 visualizações

Macedo rebate Tayrone: serviços da Celg pioraram após venda





Em entrevista ao jornal Diário da Manhã, o presidente estadual do PMN, Eduardo Macedo, derrubou os argumentos do secretário de Governo Tayrone Di Martino sobre a Celg. O aliado do governador Marconi Perillo (PSDB) que foi escalado para atacar adversários afirmou que a Celg foi “muito bem vendida” e que foi uma empresa de alto padrão quando esteve nas mãos do tucano.

“Me admira que Tayrone Di Martino tenha coragem de tocar no principal ponto fraco do governo de Marconi Perillo. Vamos começar falando do uso eleitoreiro desta venda. Com um rombo já de quase R$ 20 bilhões nas contas públicas, Marconi aumentou em um ano a dívida do Estado em R$ 1,5 bilhão. O Estado possuía como meta um superávit de quase 300 milhões e vai fechou o ano com mais de meio bilhão negativo. E, diante deste quadro, o que fez Marconi? Vendeu a maior empresa pública do Estado e, ao invés de sanar uma parcela dos débitos, deixou correr os juros e aumentar as dívidas”, lembrou.

Eduardo Macedo mostrou que a venda da Celg não melhorou os serviços, como prometido pelo governador. “Como se não bastasse, o serviço piorou e a empresa que privatizou não tem honrado os seus compromissos. Recentemente vimos que a Aneel fez um comparativo e mostrou que, no mesmo mês de 2016 e 2017, os goianos passaram de 2,98 horas sem eletricidade para 4,78 horas no escuro. Um verdadeiro absurdo. É bom lembrar que o presidente da Celg, Abel Rochinha, afirmou que serão investidos apenas R$ 2 bilhões na distribuidora até 2020. Menos do que o prometido, que era de R$ 2,4 bilhões até 2018. Ou seja, não vamos sequer ver perspectivas de melhora nos próximos anos”, citou.

Mande pra gente, via Whatsapp, denúncias, textos, vídeos e fotos sobre a realidade do Estado de Goiás. Whatsapp do Goiás Real: (62) 8453 6115. Vamos preservar sua identidade, se for do seu interesse.

Outras notícias

+ veja mais notícias