Goiânia, domingo, 19 de agosto de 2018
19/01/18 2162 visualizações

Tayrone passa vergonha ao defender perdão de Marconi à dívida da JBS





Mais preocupado em agradar o chefe do que se comprometer com a verdade, o secretário de Governo Tayrone Di Martino deu uma tremenda bola fora ao lembrar em entrevista ao Diário da Manhã do caso da JBS, um dos grandes escândalos do governo de Marconi Perillo (PSDB). Tayrone afirmou que, ao conceder um perdão de mais de R$ 1 bilhão da dívida da JBS, o governo agiu dentro da lei. Detalhe: foi o próprio governo quem criou a lei controversa.

Em entrevista divulgada hoje no Diário da Manhã, o presidente estadual do PMN, Eduardo Macedo, relembrou este episódio, que hoje está sendo analisado pela Justiça. “Foi interessante Tayrone Di Martino mencionar também a questão do perdão da dívida da JBS, um capítulo da história de Goiás que é importante que os goianos jamais se esqueçam. Muito em breve veremos o governador Marconi Perillo responder sobre esse assunto, já que a Justiça quer ouví-lo na ação popular que o senador Ronaldo Caiado entrou para pedir o ressarcimento de R$ 950 milhões do Grupo JBS ao Estado de Goiás”, começou.

Eduardo Macedo recordou como foi o processo. “A denúncia foi feita em decorrência da lei número 18.709/14, editada pelo governador e que durou apenas uma semana, que concedeu um perdão de R$ 949 milhões da dívida de R$ 1,27 bilhão da JBS com o Estado. O valor representa 76% de toda a renúncia fiscal do programa Regulariza. Esta lei deveria abranger apenas aquelas empresas que estivessem em dificuldades. Mas o jornal Valor Econômico informou na época que a JBS registrou o maior lucro trimestral de sua história de julho a setembro de 2014. Ainda assim o governo perdoou a dívida da empresa em um valor equivalente ao da venda da Celg. Ou seja, o governador deu uma Celg para a JBS. A explicação 

Mande pra gente, via Whatsapp, denúncias, textos, vídeos e fotos sobre a realidade do Estado de Goiás. Whatsapp do Goiás Real: (62) 8453 6115. Vamos preservar sua identidade, se for do seu interesse.

Outras notícias

+ veja mais notícias