Goiânia, sbado, 21 de julho de 2018
01/03/18 1261 visualizações

CPI da Goiás Turismo: shows 60% mais caros que em outros estados





O relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigou possíveis irregularidades na Agência Estadual de Turismo - Goiás Turismo - foi entregue pelo relator, deputado Humberto Aidar, na quarta-feira, 28, para apreciação do colegiado, detectou superfaturamento nos shows contratados pelo governo. 

Segundo Humberto Aidar, há preços de shows muito acima dos contratados por outros entes públicos do País, no comparativo com a mesma época e pelo mesmo artista; a dispensa de licitação sem seguir os trâmites estabelecidos pela lei; falta de publicação do ato de inexigibilidade, o que fere o princípio da publicidade da administração pública; ausência de convênio para pagamento dos shows com contrapartida; ausência de planejamento e contratação de artistas não consagrados pela opinião pública e crítica especializada. Também notou-se que os pagamentos dos contratos não seguiam uma ordem cronológica e sim de influência política.

O deputado Humberto Aidar afirmou que a discrepância em relação ao preço dos shows praticados em Goiás em relação ao resto do país é muito grande. "Há de se ressaltar o sobrepreço. Os preços praticados pela Goiás Turismo são bem acima sendo que a maioria dos shows foram de música sertaneja de artistas que moram no Estado. Os preços praticados aqui chegam a ser 60% maiores em relação a outros estados do país”, declarou.

A CPI

A CPI, presidida pelo deputado Cláudio Meirelles (PR), teve início no dia 27 de abril do ano passado. Na primeira sessão foram definidos os nomes para a ocupação de cargos de comando da CPI.  Humberto Aidar (PT) foi designado  relator e Diego Sorgatto (PSB), vice-presidente. Também integram a CPI Lívio Luciano (PMDB) e Marquinho Palmerston (PSDB). Os suplentes são Álvaro Guimarães (PR), Luis Cesar Bueno (PT), Paulo Cézar Martins (PMDB), Karlos Cabral (PDT) e Gustavo Sebba (PSDB).

Também fazem parte da Comissão dois Procuradores da Assembleia, assim como técnicos do Tribunal de Contas do Estado (TCE), do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e da Controladoria Geral do Estado (CGE).

Para a investigação das possíveis irregularidades dentro da Goiás Turismo a CPI requisitou uma relação da execução orçamentária da contratação de shows artísticos do ano de 2013 a 2016, como também relatório de uma auditoria feita pelo TCE e notas fiscais das prefeituras que são domicílios fiscais destas empresas.

A CPI realizou 11 oitivas e, no total, 20 pessoas foram ouvidas pelo colegiado. Entre os depoentes estão o procurador-Geral Interino do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas do Estado (TCE), Fernando Carneiro; o presidente da Goiás Turismo, Leandro Garcia; o diretor de Gestão, Planejamento e Finanças da pasta, José Adriano Donzelli; e o diretor de Desenvolvimento, Pesquisa Turística e Eventos, Roque de Melo. Além de cantores e empresários que tiveram shows contratados pela Goiás Turismo entre os anos investigados. 

 

Mande pra gente, via Whatsapp, denúncias, textos, vídeos e fotos sobre a realidade do Estado de Goiás. Whatsapp do Goiás Real: (62) 8453 6115. Vamos preservar sua identidade, se for do seu interesse.

Outras notícias

+ veja mais notícias